Arquitetura

Projetar, supervisionar e executar obras de arquitetura/edificações; trabalhar com reformas e restaurações; além de atuar no controle e planejamento do espaço como urbanista, paisagista e designer de interiores. Essas são algumas das funções do profissional formado em arquitetura e urbanismo.

Arquitetura

A formação do arquiteto e urbanista é muito ampla e, segundo Leonardo Castriota, professor da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), durante muito tempo o profissional era identificado como aquele que atuava no projeto, na construção ou em uma reforma. "Mas o arquiteto e urbanista é muito mais que isso. Uma das funções paralelas é trabalhar com o planejamento de cidades", disse.

O professor destacou, no entanto, que as atuações de um arquiteto e de um urbanista são completamente diferentes mas, mesmo assim, a graduação é unificada. Não existe um curso superior apenas de arquitetura ou somente de urbanismo. "Em alguns países a formação é distinta. O arquiteto tem uma base mais técnica de engenharia e o urbanista tem uma formação direcionada para o planejamento", afirmou Castriota.

Mais escolas, menos empregos

Segundo Gilberto Belleza, presidente do Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB), um dos maiores problemas enfrentados pelos profissionais da área é o aumento no número de escolas de arquitetura no país e, conseqüentemente, as dificuldades de inserção no mercado de trabalho.

"Atualmente, com o grande crescimento do número de escolas de arquitetura e conseqüentemente do número de arquitetos, o mercado tornou-se complicado. O que percebemos é uma escassa quantidade de trabalho, a falta de profissionais capacitados e com boa formação, e, principalmente, um achatamento nos honorários profissionais pela concorrência de preços num mercado livre de atuação", avalia Belleza.

A mesma opinião é compartilhada pela professora Maria Inês Sugai, ex-coordenadora do curso de arquitetura e urbanismo da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), que, no entanto, tem uma visão um pouco mais otimista.

"Há quem diga que o mercado de trabalho não tem mais como absorver os cerca de seis mil jovens que se formam anualmente no Brasil. Mas, apesar dessas avaliações pouco otimistas, prevalece o entendimento de que há boas perspectivas, principalmente nas centenas de cidades de pequeno e até médio porte que têm dificuldades para atender à recente legislação que torna obrigatória a elaboração de Planos Diretores nas cidades acima de 20 mil habitantes", exemplificou.

Segundo Maria Inês, no início dos anos 90 o país tinha cerca de 70 cursos de arquitetura e urbanismo. Hoje, esse número saltou para 182.

Na edição 2005 do Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade) foram avaliados 166 cursos de todo o país. Desses, 63 (38%) receberam conceito 3 e sete (4,2%) obtiveram 5, a nota mais alta. Entre as graduações de conceito máximo, seis são de universidades federais e uma de instituição particular. Do total de cursos, 25,3% ficaram sem conceito pois não apresentavam alunos ingressantes ou concluintes.

Profissão regulamentada

Assim que termina a faculdade, todo arquiteto precisa tirar um registro profissional no CREA (Conselho Regional de Engenheiros e Arquitetos) de sua região. Há mais de 40 anos, o órgão disciplina a carreira e as formas de atuação do profissional. Segundo o arquiteto Ângelo Arruda, presidente da Federação Nacional de Arquitetos e Urbanistas (FNA), quem não tem registro está exercendo a profissão de maneira ilegal e, portanto, cometendo um crime.

Fonte: Fernanda Bassette do G1